Logo Hospital Dom Orione
Javascript DHTML Drop Down Menu Powered by dhtml-menu-builder.com
Artigos

Postado em 09/01/2015 17:07:19
VALMIR ANDRADE DOS SANTOS

 Este texto é inspirado no livro “Quem mexeu no meu queijo? De Spencer Johnson. De forma resumida alguns dos ensinamentos que traz a obra.

Valmir Andrade dos Santos.

 

                      Algo está mudando: Perceba!

Não queremos mudar! Eis a reação imediata, pois a mudança nos assusta e causa medo. Precisamos admitir que não é fácil lidar com as mudanças, sobretudo com as inesperadas, e que é difícil discernir o que é certo na hora em que as coisas mudam. A dica, então, é: pensar de forma positiva, ver a mudança num sentido construtivo, como possibilidade de melhoria.

Avante! Não devemos ter medo de nos desinstalar e é um equívoco criar resistências e apegar-nos ao passado. Usando nossas habilidades muito aprendemos com as lições colhidas em nossa história. Mas ficar preso, na inércia do passado, torna o “labirinto” da vida mais sinuoso e difícil.

Um saudável desapego do passado é, muitas vezes, a atitude necessária para partir com força e coragem para outra etapa da vida sem lamentações ou murmúrios, com audácia e coragem. Ir ao encontro do novo e descobrirmos a sua beleza é apenas uma questão de tempo.

O medo é, sem dúvida, uma reação de alerta, quase um “radar de proteção”, importante para nossa sobrevivência. Uma pessoa privada de todo o temor nem sempre é virtuosa e pode ficar exposta a muitas situações de risco. Todavia, em excesso, pode ter efeito paralisante. São diversas as situações em que o medo é mais fruto de uma elaboração mental, sempre exagerada, ao contrário do que realmente nos acena e indica a realidade.

O poeta vem nos ajudar: Não precisamos ter medo da sombra, pois ela é caminho de luz; nem de amar, pois o amor é o sol da vida; nem da saudade, porque é esperança do infinito. Menos ainda da morte se ela é caminho de vida plena. Há quem tenha medo do relógio, mas “ele é o ritmo da jovialidade”.

O que queremos mesmo é ser feliz. E, para ser feliz, é necessário estar aberto às mudanças, a procurar todos os dias o caminho. Poderemos ter aborrecimentos e sofrimentos, talvez sejamos obrigados a mudar a direção. Mas a quem persevera na busca é dado o dom de encontrar o caminho e é consentida a possibilidade de uma vida melhor.

Certo é que não existe nada pronto, nenhuma fórmula. Não importa o destino, onde chegaremos, importa mais o caminho, a viagem, a travessia. Atenção às mudanças que ocorrem diariamente. Fique preparado! Quer queira ou não, elas acontecem. Fora a indecisão! Vamos em frente! Sem lamentos inúteis e reclamações inconsistentes, que são fontes de depressão. Seja atento observador. Se o movimento for numa nova direção, coragem, não se preocupe além da conta, a mudança ajuda a encontrar o caminho da felicidade.

Estamos sempre aprendendo. Aquele que não aprendeu nada, pouco mudou. Há quem resista à mudança e diz “basta”. Pobre homem, já pereceu! O segredo é uma boa capacidade de adaptação. Resistir, pode ser sinal de insensatez. Melhor mesmo é não complicar e simplificar as coisas, mesmo sendo necessário abrir mão de algo que gostamos. O que não é fácil. Pode acontecer que mesmo gostando de realizar alguma atividade, caiamos na mesmice. Isso não é bom, causa reveses e dissabores. Doloroso é para quem convive conosco, pois saber fazer “bem” exige habilidades e criatividade.

A quem resiste às mudanças por medo ou por razões pragmáticas e de circunstancias, fica a dica: As mudanças acontecem a todo instante, por isso não ignore o que acontece ao seu redor. Pense e analise: quem não está disponível às mudanças, paga um preço alto na vida e passa o tempo no lamento, culpando os outros e zangando-se por besteiras. É falso pensar que as coisas permanecerão inalteráveis. É hora de despertar e de encontrar a felicidade! A vida passa mudando sempre e rápida demais!



 
Articulistas
VALMIR ANDRADE DOS SANTOS
Artigos postados: 3



+ Lidos
+ Recentes




Tecnologia a serviço da vida!